sábado, 20 de fevereiro de 2010

Quais fatores contribuem para você se sentir cada vez mais só?


"Um dos fatores que contribui para que uma pessoa se sinta cada vez mais só é o de ser mais difícil para ela restabelecer um relacionamento social satisfatório. Podem ser os traços de personalidade, perdas de parentes e amigos, perda de relações sociais, depressão, vivências de emoções negativas que levam o indivíduo ao isolamento" Atualmente um número significativo de pessoas tem uma vida solitária. Devido à solidão as pessoas tornam-se debilitadas, deprimidas e desmoralizadas. A solidão tem sido frequentemente associada à depressão, à hostilidade, ao alcoolismo, a um fraco autoconceito, baixa autoestima e a doenças psicossomáticas. As implicações da solidão são sentidas em qualquer cultura.

Na literatura encontramos várias definições para solidão. Alguns autores descreveram a solidão como sendo a experiência associada à discrepância entre as relações que percebemos, que temos versus as relações ideais. Outra definição é a experiência desagradável que deriva de importantes deficiências nas redes de relações sociais. E uma outra definição é conceber a solidão simultaneamente como desagradável e motivante surgindo de uma necessidade não encontrada de intimidade pessoal. E também podemos encontrar a definição em que a solidão é uma experiência que surge da separação da experiência humana. Ou seja, pode ser qualquer tipo de separação que a pessoa vivencie: perda dos pais, irmãos, divórcio, viuvez...

Várias definições partilham alguns pontos em comum. Ou seja, todas as definições implicam que a solidão resulta de deficiências nas relações sociais da pessoa sozinha. E também a solidão é vista como fenômeno psicológico subjetivo e por isso não é sinônimo de isolamento. Toda pessoa tem pelo menos um contato social mínimo. Portanto, a solidão é vista mais como representando insatisfação com o número ou a qualidade dos contatos que uma pessoa tem do que com a ausência total de contato social.

Quais fatores contribuem para você se sentir cada vez mais só?

Existem muitos fatores que contribuem para o aumento da vulnerabilidade das pessoas à solidão. Um dos fatores que contribui para que a pessoa se sinta cada vez mais só é o de ser mais difícil para ela restabelecer um relacionamento social satisfatório.

Existe na nossa cultura o estereótipo que as pessoas idosas são solitárias e mais deprimidas. As pessoas jovens e as idosas concordam em que são as pessoas idosas que mais se sentem sós. Esse estereótipo não se confirma quando pessoas revelam a sua própria experiência de solidão.

Estudo realizado na Universidade do Porto, em Portugal (2001), pelo Centro de Cognição, Afectividade e Contexto Cultural, foi investigado se haveria diferenças na solidão em pessoas de três grupos etários (adolescentes, adultos e idosos). A hipótese era encontrar diferenças no nível de solidão nos três grupos etários.

Participaram da pesquisa 105 adolescentes, 116 adultos e 104 idosos. Foram aplicados vários instrumentos específicos para avaliar a solidão nos sujeitos. Os resultados mostraram que os adolescentes e os idosos sentiam mais a solidão que os adultos. Em cada grupo etário encontraram-se correlações significativas entre solidão e neuroticismo (traço de personalidade ou estado afetivo no qual o indivíduo 'experiencia' afetos negativos, por exemplo: pessoas nervosas, com humor deprimido); o optimismo (característica ou dimensão importante da personalidade que faz o indivíduo refletir sobre sua vida futura, é uma forma de perspectivação, por exemplo: pessoas extrovertidas, motivadas e otimistas); e a satisfação com a vida. Não houve diferenças em relação ao gênero. Apesar de interessante, esse estudo necessita ser aprofundado.

A satisfação com a vida é definida como uma avaliação global da qualidade de vida de uma pessoa segundo os seus critérios escolhidos. As pessoas podem atribuir valores diferentes para bem-estar emocional, bem-estar material, saúde física, saúde mental percebida, etc... A satisfação com a vida parece estar em grande parte relacionada com a qualidade do nosso relacionamento social. Diversos estudos sugerem que a solidão está associada a diversos estados afetivos como sentir-se menos feliz.

Quando se fala que uma pessoa sofre de solidão, não é suficiente que a pessoa esteja consciente da discrepância entre as relações atuais e as desejadas. A solidão é sempre uma experiência desagradável, dolorosa. Por isso a discrepância deve ser acompanhada por um ou mais sintomas coloridos por uma tonalidade afetiva negativa. Nessa rede de afetos pode estar inserido o neuroticismo. A solidão é um importante indicador de qualidade de vida.

Outras pesquisas recentes, porém, sugerem que, o vigo dos jovens deve ser “compartilhado”. As relações intergeracionais protegem os idosos da depressão e da solidão. Por meio de interações sociais, os jovens podem transmitir parte do seu vigor para os idosos, melhorando assim as capacidades cognitivas e a saúde vascular dos mais velhos e até aumentando sua expectativa de vida.

Foi comprovado que a convivência de idosos com pessoas jovens é fundamental para estabilizar o declínio cognitivo. A atividade física também torna-se mais benéfica para os idosos se for praticada em espaço social com pessoas jovens. Outras investigações poderão ser feitas para averiguar o potencial terapêutico da socialização intergeracional. Se você não realiza atividades com pessoas mais jovens, fica a dica: visitar, receber visitas, inclusive dos netos, faz bem para à saúde de ambos.


Autoria:
Elisandra Vilella G. Sé
é Fonoaudióloga, Mestre em Gerontologia e Doutoranda em Linguística

Imagem: Net

3 comentários:

  1. Como dizia o poeta
    Quem já passou por essa vida e não viveu
    Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
    Porque a vida só se dá pra quem se deu
    Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
    Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não
    Não há mal pior do que a descrença
    Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão
    Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
    Pra que somar se a gente pode dividir
    Eu francamente já não quero nem saber
    De quem não vai porque tem medo de sofrer
    Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão
    Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada, não

    Vinícius de Moraes

    Um grande abraço e muita luz

    Julimar

    ResponderExcluir
  2. Nunca chegamos ao fundo da nossa solidão ...

    óptimo texto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Este espaço é sempre maravilhoso. Estar aqui é sempre um enorme prazer. Beijos e um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Tamanho do Amor

O amor cabe num aquário, num cubo
mas será
sempre maior que os oceanos
Sem tempo preciso, só precisa um
segundo
Ampulheta eterna, agenda de mil planos

Cabe num aro anel, em
alianças de sonho
Em corações traçados, num sorriso inesperado
Num tolo
bordado em toalhas de banho
Num frasco da memória, perfume
guardado

Encaixa-se numa pequena pétala de flor
Se faz pleno numa
única palavra sugerida
Por não saber seu tamanho, o amor
Vai além do tempo
e da própria vida

Controverso sentido, pequenino e imenso
Amedronta e,
ainda assim, nos faz seguros
Senhor do mundo, afronta e cabe num
verso
Cativo de si e detento, roga lindos agouros

Não há quem possa,
portanto, lhe definir o tamanho
Ninguém lhe sabe o alcance, tampouco a sua
verdade
Em todas as meninas dos olhos - está esse estranho
Brincando de
ser universo - e sabendo-se eternidade.

Autoria: Paulo Moreira



http://gluckall.blogspot.com


Selo recebido da minha Amiga Rejane Enajer –

Selo recebido da minha Amiga Rejane  Enajer –
do blog: “"Quando a vida dentro de mim, se tornou pos

Selinho da Amizade

Selinho da Amizade
Recebi minha amiga Mariza Schiochet